BUSQUE AQUI MESMO

OLA VISITANTES

ESTATISTICAS MUNDIAL

COM A PALAVRA IRMÃO RUBENS

domingo, 31 de dezembro de 2017

A PRINCESA LESBICA DA DISNEY

WALT DISNEY COMO SEMPRE QUANDO NAO ALIENANDO ESTA INDUZINDO CRIANÇAS AO ERRO EM 2018 LANÇARÁ LONGA ANIMADO A PRINCESA LESBICA QUE PODERA SER ELSA DO FILME FROZEN.

Comunidade LGBT americana pressiona para que personagem saia do armário


Rio - Imagine se a princesa Elsa do aclamado ‘Frozen — Uma Aventura Congelante’, que teve bilheteria de US$1,2 bilhão, saísse do armário? É isso mesmo. A comunidade LGBT norte-americana lançou uma campanha para que os estúdios de Walt Disney a transforme numa personagem assumidamente lésbica.
O blog Feminist Culture criou a hastag #GiveElsaAGirlfriend (Dê a Elsa uma namorada), e o tópico se tornou um dos mais comentados no Twitter. Tudo após pesquisa do grupo Gay and Lesbian Alliance Against Defamation sobre inclusão LGBT nos filmes de Hollywood. Segundo o estudo, dos 126 filmes lançados em 2015 pelos sete principais estúdios, apenas 17,5% incluíam personagens homossexuais.
A assessoria da Disney no Brasil ainda não declara seu posicionamento sobre o assunto, mas desde 2014, em entrevista a um veículo da Califórnia, a executiva da empresa de entretenimento, Ellen Etheridge, não descarta a possibilidade. “Tentamos diversificar nossas personagens femininas ao longo dos anos e percorremos um longo caminho desde a princesa de ‘A Bela Adormecida’. Pensamos em personagens femininos fortes para que as crianças possam admirar. Criamos uma princesa negra há alguns anos e queremos abrir novos caminhos”, disse Ellen.



"Pensamos em personagens femininos fortes para que as crianças possam admirar", disse diretora da Disney
Foto: Divulgação

A possibilidade da discussão de novos arranjos familiares na animação de um dos maiores estúdios do planeta empolgou a cantora Daniela Mercury. Casada com a jornalista Malu Verçosa desde 2013, as duas são mães de três filhas. “Fiquei extremamente feliz com essa notícia da possibilidade de transformar a Elsa em um ícone LGBT.
Aliás, as duas protagonistas do filme são bem fortes. Eu assisti várias vezes por conta da nossa filha mais nova, Ana Isabel. Seria fantástico que essa personagem, que já é tão amada pelas crianças, famílias, se revelasse lésbica. É muito bom para a diminuição do preconceito e a compreensão que o ser humano é múltiplo também na sua sexualidade e isso em nenhum momento afeta as famílias no que é mais importante nas relações humanas. Pedimos ao secretário-geral da ONU também que nos auxiliasse na luta, aqui no país para a aprovação da criminalização da homofobia”, frisa a cantora.
Daniela e Malu fazem parte da campanha global ‘Livres & Iguais’, que tem por objetivo aumentar a conscientização sobre a violência e a discriminação homofóbica e transfóbica e promover um maior respeito pelos direitos das pessoas LGBT: “Quando eu e Malu fomos a Nova York no encontro com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, pedimos duas coisas: a primeira, justamente que ele fizesse uma campanha em Hollywood, junto aos produtores cinematográficos, pedindo que refletissem sobre a importância da inclusão das famílias LGBT na sua dramaturgia, nos desenhos animados (Disney, Pixar), para que a diversidade humana fosse contemplada e naturalizada.”
Para Malu, a notícia do movimento emociona pela representatividade: “É importante que as crianças enxerguem outros modelos familiares. Outro dia mesmo, nossa filha mais nova me perguntou por que ela não via nenhum casal de duas mulheres nos filmes de criança”, ressalta a jornalista.
Jaime Nadal, que representa o escritório do UNFPA (Fundo de População das Nações Unidas no Brasil), a agência de desenvolvimento internacional da ONU que trata de questões populacionais, concorda: “A questão dos direitos humanos da comunidade LGBT tem sido bastante debatida e foi, inclusive, tema de uma conferência nacional realizada em Brasília na semana passada. Os acordos e tratados internacionais têm reiterado que a orientação sexual e a identidade de gênero não podem ser motivo de discriminação”.
Uma outra sugestão da pesquisa norte-americana sobre inclusão é que a Disney coloque no próximo filme da saga ‘Star Wars’ um casal homossexual masculino. A aposta seria no casal formado pelos personagens Poe Dameron (Oscar Isaac) e Finn (John Boyega), que já demonstraram grande aproximação no último filme da franquia.

terça-feira, 26 de dezembro de 2017

FUTEBOL A GRANDE FARSA NACIONAL

VEJA COMO A PROPRIA MIDIA MOSTRA SUAS FINALIDADES E PARA QUE ELA EXISTE VEJA ESTE TRECHO DA NOVELA QUE REI SOU EU DE 1989 CAPITULO 55 ONDE FALA SOBRE MANIPULAÇAO E ALIENAÇAO USANDO O FUTEBOL


quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

JUDEUS E O INFERNO

AÍ CRISTIANISMO EXPLIQUE ISSO !! OS SIMPSONS TEMPORADA 21 EPISODIO 16 A MELHOR HISTORIA JA CONTADA

USINA NUCLEAR DOS SIMPSONS

NOTE O QUE HOMER DIZ NA PRECE DA REFEIÇAO SERIA MAIS UMA PROFECIA SIMPSIANA ?? EPISODIO 15 DA SEGUNDA TEMPORADA - IRMAO ONDE ESTARAS ?

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

WALMART O LADO OCULTO DO NEGOCIO

WALMART O LADO OCULTO DO NEGOCIO 

Teoria da conspiração dos campos de FEMA

teoria de campos de conspiração FEMA afirma que o US Agência Federal de Gestão de Emergência (FEMA) está planejando para aprisionar cidadãos americanos em campos de concentração .  Isso geralmente é descrito como seguindo a imposição da lei marcial nos Estados Unidos após uma grande catástrofe ou crise. Em algumas versões da teoria, apenas os suspeitos de dissidentes serão presos. Em versões mais extremas, um grande número de cidadãos dos EUA será preso para fins de extermínio à medida que um novo pedido mundial for estabelecido.
teoria da conspiração tem existido desde o final da década de 1970, mas recuperou muito em popularidade desde o final da década de 1990. 
A FEMA foi criada em 1979 sob a ordem executiva pelo presidente Jimmy Carter . Foi estabelecido para coordenar a resposta a um grande desastre que ocorreu nos Estados Unidos e que supera as autoridades locais e estaduais. No entanto, os defensores da teoria da conspiração argumentam que isso é apenas uma cobertura para o propósito real da organização. Este plano é assumir o controle dos Estados Unidos na sequência de um grande desastre ou ameaça, um genuíno ou um fabricado. Uma vez que uma catástrofe ou ameaça surgir, a teoria vai, a lei marcial será declarada e os poderes de emergência da FEMA entrarão em operação. A FEMA será efetivamente o governo .  A constituiçãoserá suspenso e a FEMA moverá os cidadãos dos EUA para campos especialmente construídos, muitos dos quais já foram construídos.  A organização foi descrita neste contexto como "o braço executivo do próximo estado policial ".  Os defensores da teoria costumam jogar em medos raciais , afirmando que a FEMA usará "gangues urbanas" como auxiliares para garantir a ordem. 
Em muitas versões da teoria, os "dissidentes" (tipicamente definidos como constitucionalistas  patriotas, etc., em vez de esquerdistas) simplesmente serão presos.  Outros chegaram a argumentar que serão enviados a esses campos para serem assassinados.  Versões extremas da teoria afirmam que os planos estão em vigor para prender e matar cidadãos americanos apolíticos nos campos da FEMA como parte de um plano de " controle populacional ".  As conspirações da FEMA são muitas vezes trabalhadas em narrativas de conspiração maiores sobre o início de uma "Nova ordem mundial", o que significa um governo global totalitário 
Como evidência da conspiração, os defensores da teoria apontam para os campos da FEMA que já existem nos Estados Unidos. Estes, no entanto, muitas vezes têm conhecimento, objetivos estabelecidos, como as instalações da Amtrak e os centros de treinamento das Forças Armadas .  Em alguns casos, campos de internação genuínos foram apontados, mas estes sempre estiveram fora dos Estados Unidos. 
Os defensores também citaram um plano de contingência ( Rex 84 ), elaborado em parte por Oliver North, apelando à suspensão da Constituição e à detenção de cidadãos em caso de crise nacional. ] Destina-se a ativistas de esquerda, não aos libertários e aos diretores de direita, geralmente associados às teorias da FEMA.  Isto foi vinculado a um documento de 1970 de Louis Giuffrida (anos mais tarde, o diretor da FEMA) pedindo o estabelecimento da lei marcial no caso de uma revolta por militantes afro-americanos e o internamento de milhões de afro-americanos. [16]
Os teóricos da conspiração usaram o internamento real de japoneses americanos durante a Segunda Guerra Mundial em campos especificamente construídos como evidência de que tal cenário, pelo menos, tem precedentes históricos.  Da mesma forma, a remoção forçada de nativos americanos de suas terras é um precedente anterior.
História 
Uma das primeiras referências conhecidas aos campos de concentração da FEMA vem de um boletim publicado por Posse Comitatus em 1982, com a advertência de que os "patriotas incondicionais" deveriam ser detidos neles.  A prevalência da teoria da conspiração aumentou em linha com o aumento do movimento da milícia na década de 1990.  Um suposto campo de FEMA foi destaque no influente filme da América Linda Thompson America Under Siege (na realidade, o "campo FEMA" era uma instalação de reparo da Amtrak). Após o atentado de 1995 em Oklahoma City , a teoria da conspiração foi discutida pelo Subcomitê do Judiciário do Senado sobre Terrorismo Doméstico. A inclusão da teoria no enredo do filme X-Files de 1998 mostrou seu crescente alcance. 

Os temores da FEMA diminuíram no início dos anos 2000, uma vez que os terroristas estrangeiros eram percebidos como a principal ameaça. No entanto, a recessão do final dos anos 2000 e a eleição de Barack Obama em 2008 renovaram a oposição entre os conservadores ao governo federal . Neste contexto, houve um ressurgimento no movimento da milícia e, com isso, a teoria da conspiração dos campos da FEMA.  Desta vez, no entanto, a teoria conseguiu alcançar mais círculos de direita, enquanto já havia sido confinado ao extremo direito. FOX News personalidade Glenn Beck, por exemplo, tempo de antena dedicado a ele em três shows, dizendo que ele não poderia desprezá-lo (embora ele mais tarde declarou que ele não acreditava na teoria).  Os e-mails da revista National Review também promoveram a teoria.  A deputada Michele Bachmann aludiu à teoria no escritório,  como tem outros políticos do Partido Republicano . 
Tal foi o aumento que a própria FEMA registrou, afirmando que não tem planos para deter os cidadãos.  No entanto, em um memorando interno, a FEMA admitiu que não poderia esperar convencer um grande número de que não tinha planos sinistidos e advertiu que era "melhor não entrar em debate sobre o assunto".  A revista Popular Mechanics publicou debunks das várias reivindicações dos teóricos da conspiração. 


    segunda-feira, 27 de novembro de 2017

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 01

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 01 O FIM DA RAÇA HUMANA E SUAS CIVILIZAÇOES

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 02

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 02 ARMAS BIOLOGICAS ILHA DE PLUM [PLAM] AS BASES DAS EPIDEMIAS MUNDIAIS LABORATORIOS AS FABRICAS DE DOENÇAS

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 03

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 03 PROJETO CONTROLE DA MENTE MK ULTRA E CONTROLE MONARCA

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 04

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 04 O QUE É A NOVA ORDEM MUNDIAL ? SEUS OBJETIVOS METAS E ALVOS ??

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 05

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 05 GRIPE H1Z1 A GRIPE ZUMBI

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 06


     ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 06 CONTROLE CLIMATICO GUERRA DO CLIMA POIS QUEM DOMINAR O CLIMA DOMINARÁ O PLANETA

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 07

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 07 CLONAGEM HUMANA E ANIMAL QUE FIM TERÁ ?

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 08



    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 08 O PÉ GRANDE E OUTROS MITOS OU VERDADES ?

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 09

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 09 OS ANTI CRISTOS MITOS E VERDADES SOBRE ESTE PERSONAGEM

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 10

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 10 CONTROLE DAS MAQUINAS A ASCENÇÃO SEM PRECEDENTES DAS INDUSTRIAS MAQUINARIAS E SEUS RISCOS A NIVEIS ALARMANTES E PREOCUPANTES

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 11

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 11 PORTAIS ESTRELARES QUAIS SAO? ONDE ESTÃO? PRA QUE SERVEM ? QUAL SEUS REAIS MOTIVOS E INTENÇÕES ?

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 12

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 12 AS 10 MAIORES CONSPIRAÇOES DA HISTORIA DA HUMANIDADE INCUINDO RELIGIÕES POLITICAS SENDO A DE NUMERO 6 E A PIOR DE TODAS ASSISTA E VEJA QUAL É ELA

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 13

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 13 ESPIONAGENS AMERICANAS RUSSAS E OUTRAS QUAIS SUAS FINALIDADES OS DATAS CENTERS COMO FUNCIONAM ?

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 14


     ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 14 LIDERES MUNDIAIS FALSOS E VERDADEIROS ?? PORQUE SE USARIAM SOSIAS ? COM QUAL OBJETIVO? E QUEM SÃO ELES ? ONDE ESTÂO?

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 15

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 15 GUERRAS INTER-PLANETARIAS? ESTARIA OS ESTADOS UNIDOS FORJANDO OUTRA FARSA PARA ALIENAR O MUNDO E ASSIM GERAR NOVAS GUERRAS? QUAIS OS PAISES ENVOLVIDOS? E QUAIS OS PAISES ALVOS DESTA CONSPIRAÇÃO ?

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 16

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 16 VIAGENS NO TEMPO ELAS EXISTEM? PARA ONDE IR ? DE ONDE VIR? QUEM PODE SER OS ALVOS ?

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 17

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 17 OS NEOS-NAZISTAS ELES EXISTEM DE FATO? QUEM SÃO? COMO AGEM? QUEM SÃO SEUS ALVOS? QUAIS OS SEUS OBJETIVOS ?

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 18

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 18 ATAQUES ALIENIGENAS SECRETOS ? ESTRELAS DA MORTE ? O QUE SÃO ELAS ? QUAIS OS ALVOS E SEUS OBJETIVOS ?

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 19



    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 19 AS 10 MAIORES SOCIEDADES SECRETAS VEJA DE 10 Á NUMERO 01 E DESCUBRA COMO ELAS AGEM E FUNCIONAM 

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 20

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 20 GOVERNOS SECRETOS OS ARMAZENS FORT KNOX O QUE SÃO? PRA QUE FINALIDADES EXISTEM ?

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 21

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 21 DESPOPULAÇÃO MUNDIAL AS PEDRAS GUIA DA GEORGIA O QUE SÃO ELAS ? QUAIS SEUS ALVOS METAS E OBJETIVOS ?

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 22

    ARQUIVOS CONFIDENCIAIS EPISODIO 22 EPISODIO FINAL DISCOS VOADORES,NAVES ESTELARES ELAS EXISTEM? OU SÃO HOLOGRAMAS DISFARÇADOS DE REALIDADE? QUAIS OS ALVOS DESTA CONSPIRAÇÃO?

    sábado, 25 de novembro de 2017

    ARQUIVO X TEMPORADA 10 TRECHO IMPACTANTE

    ARQUIVO X 10 TEMPORADA TRECHO MAIS IMPACTANTE DO EPISODIO 01 MINHA LUTA

    SIMBOLOS MISTICOS EM JOGO DE BAISEBOL

    EM 2016 DURANTE UMA PARTIDA DE BASEIBOL NO ESTADOS UNIDOS APARECEM NA TELA SIMBOLOS FAZENDO APOLOGIA AS SOCIEDADES SECRETAS VEJAM O VIDEO QUE ASSUSTOU Á TODOS O RECADO ERA NÓS CONTROLAMOS TUDO E DOMINAMOS MAS VOCES SAO MUITO ESTUPIDOS PARA PERCEBEREM ISSO

    terça-feira, 21 de novembro de 2017

    LEITELHO O LADO NOBRE DO LEITE

    LEITELHO JA OUVIU FALAR?? SABES O QUE É ???
    LEITELHO É O LADO NOBRE DO LEITE QUE POUCOS CONHECEM E CONSEGUEM USAR
    Leitelho, antes desprezado, hoje tem mérito reconhecido
    Leite naturalmente desnatado e com traços microscópicos de manteiga contribui para um sabor rico e pungente nas receitas
    Verdadeiro leitelho é o que sobra da nata pesada depois que ela foi batida para quebrar sua emulsificação natural
    Foto: Stacey Cramp / NYTNS
      Old Orchard Beach, Maine, Estados Unidos – A primeira vez que a Food and Drug Administration (órgão do governo americano responsável pelo controle de alimentos e remédios) enviou um inspetor para checar a produção de laticínios na Kate's Homemade Butter, as coisas não deram muito certo. 
    "O cara nem desceu do carro", conta Daniel Patry, o bem-humorado fundador da empresa. "Ele se recusou a acreditar que era uma fábrica de verdade." 
    Patry, que havia trabalhado por décadas em fábricas de laticínios comerciais, começou a produzir manteiga aqui em 1981, em sua garagem num bairro residencial. Ele não tinha vacas e tinha muito pouco capital, mas tinha um objetivo elevado: reproduzir a manteiga fresca, feita de nata de alta qualidade, a qual se lembra de comer enquanto crescia numa fazenda leiteira perto de Minot, no estado do Maine. 
    Hoje, a Kate's produz mais de 450 toneladas de manteiga por ano, todas na mesma pequena garagem. E, no ano passado, tornou-se a primeira engarrafadora em larga escala de um laticínio que quase desapareceu das mesas americanas: buttermilk (chamado em português de leitelho), o líquido cremoso que fica na batedeira depois que a manteiga se aglomera. 
    "As pessoas não têm ideia de quanto esse negócio é bom, mas logo, logo vão descobrir", diz Patry, 62 anos, que é talvez o nativo mais otimista e falante da história do Maine. 
    Muitos cozinheiros mantêm em suas casas o leitelho à mão para fazer panquecas, molho caseiro ou pão de milho. Eles podem saber que ele proporciona bolos mais macios (porque amacia o glúten na farinha), biscoitos mais fofos (pois seus ácidos aumentam o poder de fermentos químicos) e molhos mais grossos (o ácido lático no leitelho gentilmente coalha as proteínas numa massa molinha). 
    Mas o que poucos cozinheiros sabem é que o leitelho comercial à venda nos Estados Unidos, na verdade, não é leitelho. Ele é feito de leite magro ou desnatado, que normalmente, por sua vez, é resíduo da produção de queijo e de manteiga. Esse leite é inoculado com culturas para acidificá-lo, e engrossado com aditivos como goma de alfarroba e goma carragena. O resultado é um fac-símile achatado do leitelho real, como na relação entre uma canção e o toque de celular que fazem dela. 
    "Não tem nada de errado com isso, mas eu não ia querer tomar", diz Diane St. Clair, produtora de laticínios em Vermont que, como muito de seus pares, prefere o sabor ácido, leve e, ainda assim, rico do leitelho genuíno. 
    Foi exatamente esse leitelho que saiu do fundo da batedeira de Patry às quinze para as sete da manhã, recentemente. O leitelho de verdade é aquilo que sobra da nata pesada depois que ela foi batida (aqui, cerca de quatrocentos e cinquenta quilos de uma vez só, descendo ao longo de uma batedeira de manteiga de quatro metros de altura, com grandes batidas e pancadas) para quebrar a sua emulsificação natural. 
    Nesse processo, os glóbulos de gordura são quebrados para soltar a gordura amarela da manteiga, que vai se aglomerando. O líquido que resta é o leitelho: leite naturalmente desnatado, com traços microscópicos de manteiga que deixam um sabor rico e pungente e um toque cremoso na boca. O leitelho real contém diacetil natural, o mesmo composto que torna a manteiga derretida tão aromática e infunde alguns vinhos chardonnay de toques amanteigados. 
    "O meu leitelho tem pedaços de manteiga boiando, o que provavelmente não deveria acontecer", diz St. Clair, que tem um rebanho de oito vacas Jersey em sua fazenda (curiosamente chamada Animal Farm – título original do livro "A Revolução dos Bichos" –, localizada na cidadezinha de Orwell, homônima do autor, em Vermont), e faz manteiga e leitelho para os restaurantes do chef Thomas Keller. "Mas com certeza ele fica gostoso desse jeito." 
    Ela, Patry e alguns outros produtores dedicados de laticínios aqui e no Sul acabam de começar a levar o leitelho à moda antiga para sacolões e hortifrútis, à medida que os equipamentos de engarrafamento começam a ficar menos caros. 


    Seus esforços se ligam facilmente a várias tendências culinárias: o trabalho com produtos agropecuários tradicionais e a incorporação de resíduos antes rejeitados e partes diferentes de ingredientes nobres. O leitelho consegue até representar tanto o sul dos Estados Unidos quanto a Escandinávia, duas das maiores influências gastronômicas de hoje. 
    Em toda parte, chefs ambiciosos de repente estão mergulhando no leitelho. Só em Nova York, Roberto Mirarchi está banhando batatas doces com leitelho azedinho no Blanca; Wylie Dufresne, do WD-50, recobre pães doces com leitelho aromatizado com capuchinhas; e a jovem estrela Matthew Lightner o coa até engrossar, e usa para preencher cascas de girassol batateiro fritas crocantes no Atera. 
    No restaurante Earth, em Kennebunkport, no Maine, o chef Ken Oringer acrescenta uma gota de leitelho azedinho e gelado a cada ostra na concha, contribuindo para a acidez normal do limão com a riqueza do leite. E em todo o sul dos Estados Unidos, chefs de alta patente como Linton Hopkins do Eugene, em Atlanta, e Josh Feathers do Blackberry Farm, perto de Knoxville, no Tennessee, estão percebendo novas formas de usar o leitelho, um ingrediente distintivo da tradição culinária sulista. 
    "Minha família toda se lava nele", conta Colleen Cruze, 25 anos, a herdeira de pele cremosa da Cruze Dairy Farm, perto de Knoxville. Seu pai, Earl, 69 anos, vem espalhando o evangelho do leitelho de verdade pelo Sul há décadas. A fazenda, hoje, produz cerca de quinze mil litros por semana. 
    Cruze se formou na Universidade do Tennessee em ciência agronômica e serve de embaixadora do leitelho na família, vendendo biscoitos dourados de leitelho, sorvetes de leitelho com sabores como cardamomo e lima ou caramelo salgado, e leitelhos com sabor de figo e morango na feira de fazendeiros Market Square em Knoxville, todos os sábados. 
    Na feira, ela é incansável em persuadir fregueses a tomar doses de leitelho puro, uma tradição rural difícil de vender àqueles acostumados apenas com a versão azeda e com gosto de papelão do supermercado. 
    "As pessoas têm muito medo", diz ela. "Tenho de lembrá-las que é como iogurte." 

    É uma virada curiosa, pois o leitelho era um produto fundamental na dieta americana bem antes de o iogurte se tornar popular, nos anos 1970. 
    Debbie Moose, historiadora da comida da Carolina do Norte, lembra-se de quando o leitelho era tão predominante no Sul que sua mãe chamava a versão normal de "leite doce", para diferenciar as duas. 
    "É o ácido lático que dá ao leitelho o azedinho, e os sulistas realmente apreciam isso", diz Moose, autora de "Buttermilk: A Savor the South Cookbook" ("Leitelho: sabor nas receitas sulistas"), publicado em setembro pela editora da Universidade da Carolina do Norte. Leitelho misturado com migalhas de pão de milho era uma ceia clássica no Sul rural, e a combinação é algo bem próximo à perfeição: doce, azedinha, terrosa, rica e fresca. 
    Muitos fatores além do ácido lático (incluindo a temperatura, o frescor e o conteúdo de gorduras) se combinam para produzir o vivo sabor do verdadeiro leitelho. Fazendeiros modernos como Cruze acrescentam culturas específicas ao leitelho recém-extraído, em vez de se arriscar com as espontâneas. 

    Como todas as comidas culturadas, o leitelho pode azedar em vez de fermentar, caso as condições não sejam as ideais. Só recentemente, diz Cruze, seu pai lhe permitiu, às vezes, executar a importante etapa de despejar as culturas no tanque. Quando ele o faz, diz logo antes uma oração. 
    "Ele costumava trancar o celeiro quando tinha muitas mulheres trabalhando na fazenda", conta ela. "Dizia que, se elas estivessem menstruadas, a cultura não ia pegar." (Essa superstição já foi invocada para a produção de maionese na França, e de pão no Leste Europeu).
    Na Kate's Homemade Butter, hoje, só trabalham homens. (Kate, uma prima ruiva cuja foto ainda bebê é parte do logo da empresa, engatinhava quando os Patry começaram a fazer manteiga; hoje ela tem 34 anos). O filho mais novo de Patry, Lucas, 30 anos, faz a cultura: ele também faz pesquisas, buscando em manuais de produção de laticínios de antes da Segunda Guerra Mundial fórmulas que já desapareceram. 
    Lucas compartilha silenciosamente o entusiasmo e a paciência do pai nessa arte. E, toda quarta-feira à noite, enquanto o leitelho da semana repousa num tanque de aço inoxidável, os dois trabalham a noite inteira, desmontando as máquinas de fabricação de manteiga, levando grandes carrinhos e o maquinário complexo para o quintal, e então reconstruindo toda a linha de montagem para o engarrafamento. (Pelo jeito, os Patry têm vizinhos bastante pacientes). 
    E Patry e seu pai compartilham a missão de trazer o leitelho, talvez na forma de um smoothie, de volta às massas. 
    "Vamos começar a escrever 'probiótico' na nossa embalagem", diz ele, referindo-se às culturas de bactérias que já se demonstrou ajudarem a promover a saúde intestinal. "Se funcionou para o iogurte, deve funcionar para nós."

    sábado, 18 de novembro de 2017

    CHINA E SUA VIGILANCIA HUMANA

    CHINA AUMENTA MAIS AINDA A VIGILANCIA HUMANA
    O terrível sistema de vigilância Chinês
    “Sistema de vigilância faz reconhecimento facial e é capaz de identificar qualquer pessoa que esteja na rua “. E um futuro próximo todas as vozes dos cidadãos.
    A China já é conhecida por permitir sistema de vigilância nas ruas.
    Desta vez, quiseram ir além e criaram um sistema inteligente de reconhecimento facial.

    A invenção da empresa SenseTime tem como objetivo primordial diminuir o crime nas ruas chinesas. O fundador da empresa multimilionária, Xu Chiheng, diz que o avanço nos últimos anos os levou a esta aplicação que pode ser usada, por exemplo, como” (…) reconhecimento facial para automaticamente perceber se a pessoa corresponde ao seu cartão de identificação ou não.”.
    Um especialista da Universidade de Tsinghua, Wang S Hengjin, a par das questões de privacidade que se levantam com este sistema, diz que “(…) há problemas de privacidade mas também os há de segurança. Quando estes dois assuntos entram em conflito, os chineses dão mais importância à seguranca. Quando não há segurança, não há nada.”
    O governo chinês está também a criar uma base de dados e um sistema capaz de reconhecer todas as vozes do país.
    http://pt.euronews.com/2017/11/13/china-cria-sistema-de-vigilancia-capaz-de-reconhecer-caras

    MARIANA`S WEB PIOR QUE A DEEP WEB

    Mais terrível que a Deep web: Conheça a Mariana´s Web
    Por Lucas Karasinski
    Muito além da Deep Web: o que é a Mariana's Web?
    Há quem diga que a internet é dividida em camadas – e que nas profundezas da rede, só experts, hackers e gente bizarra consegue se comunicar. Será que isso é verdade?
    A Wikipedia "secreta" (Fonte da imagem: Reprodução/Hidden Wiki)
    Hoje em dia é comum pensarmos que não há limites para o nosso conhecimento, afinal de contas, podemos encontrar facilmente a resposta para qualquer dúvida que surja em nossas cabeças. Basta acessar a internet.
    O nome de uma cidade estranha em um país distante, como preparar aquele prato exótico ou as últimas notícias sobre alguma mulher-fruta qualquer podem ser acessadas com rapidez e velocidade.
    Contudo, ainda há muito mais informação na rede do que muita gente pode imaginar. Isso porque a maioria de nós não acessa a chamada Deep Web, parte da internet que reúne conteúdos que não são indexados pelos buscadores. Ou seja, só quem conhece o link exato do site pode acessá-lo.
    E se há páginas escondidas, saiba que existe também uma parcela da Deep Web que pode ser ainda mais “profunda” e misteriosa. Estamos falando da Mariana’s Web. Você já ouviu falar na parte mais obscura da internet?

    O que é Deep Web?
    Para entender a Mariana’s Web é preciso conhecer um pouco do conceito que envolve a Deep Web, lugar na qual essa parte da rede está inserida. Como explicamos de maneira mais abrangente neste artigo, o conteúdo da Deep Web é aquele que reúne páginas e documentos não indexados pelos sites de pesquisa, como o Google ou o Bing, por exemplo.

    Infográficos utilizando a analogia com um iceberg são comuns (Fonte da imagem: Reprodução/Invention Machine)
    Essa é a principal definição do termo, que foi criado por Michael K. Bergman, CEO e cofundador da Structured Dynamics LLC. Ele se refere a todo aquele conteúdo que não pode ser indexado pelos sites de busca e, dessa forma, não está disponível diretamente para quem navega na internet.
    Essas páginas “secretas” só podem ser acessadas por aplicativos específicos, como o Tor, por exemplo. Ele conecta você a uma rede chamada “Onion” (Tor, na verdade, é um acrônimo para “The Onion Router”) que intermedeia o acesso entre o seu PC e esses sites não indexados.
    Mas por que essas páginas estão escondidas?
    Simples: liberdade de conteúdo. Na Deep Web você encontra todo o tipo de material, desde coisas relativamente simples, como filmes e livros proibidos em alguns países, até conteúdos mais pesados, como fóruns para troca de imagens pesadas, compra e venda de drogas, entre várias outras coisas.
    Muitos dizem, em fóruns e páginas amadoras, que a maior parte dos dados online em todo o mundo encontra-se nessa rede e não é visualizada pela maioria das pessoas comuns. Não há, contudo, números específicos ou certificados acerca dessa divisão.
    As camadas do Tor...
    Mesmo que você não saiba nem mesmo fritar um ovo e seja uma negação na cozinha, muito provavelmente você já viu uma cebola de perto, não é mesmo? Dessa forma, você deve se lembrar de que o vegetal, quando é descascado, além de fazer a gente chorar um pouco, também se separa em diversas camadas diferentes.
    Essa é a maneira de funcionamento do Tor. Ele trabalha com várias camadas, sendo que cada uma delas é um roteador diferente. A cada passo, o navegador se conecta a um deles, que passa as informações de conexão ao próximo e assim por diante. Com isso, a ideia é deixar o conteúdo supercriptografado “acessável” para você.
    ...E as camadas da Deep Web
    O termo “camada” não se resume somente ao funcionamento de navegação do Tor na Deep Web. Há quem diga que o próprio “lugar” também apresenta uma divisão em camadas, trazendo os mais diferentes níveis de acesso – tudo de acordo com o nível de conhecimento do usuário e o que ele estaria procurando.
    Acesso difícil (Fonte da imagem: Reprodução/iStock)
    Na internet não há informações muito precisas a respeito de tais camadas, de forma que buscamos algumas na própria Deep Web. Depois de várias “idas e vindas”, chegamos a uma espécie de consenso, um padrão de divisões que aparece em diversos fóruns e sites especializados no assunto.
    Além daquela popular imagem do iceberg que retrata a Deep Web e todo o seu conteúdo escondido, há outras mostrando também como funciona essa divisão em camadas. Algumas são até mesmo um tanto enigmáticas, exibindo o usuário como uma pessoa indefesa e cercada de camadas de conteúdo malucas e abstratas.
    Os três primeiros níveis você já deve conhecer
    Os três primeiros níveis considerados nesse ranking englobam elementos mais “normais”, vamos dizer assim. A primeira camada, chamada de “0”, seria a internet que acessamos normalmente nos dias de hoje, os sites comuns e da nossa rotina diária, como o Facebook ou o próprio Tecmundo, por exemplo.

    A internet como você conhece (Fonte da imagem: Reprodução/Tecmundo)
    Subindo ao primeiro nível, chamado de “Surface Web”, você encontraria sites com conteúdos mais diversos e alguns fóruns que reconhecidamente aparecem com informações novas e/ou contraditórias, como o Reddit. Seguindo a evolução, chegamos à camada de número 2, a “Bergie Web”. Aqui encontram-se servidores de FTP que ficam mais à margem dos sites populares.
    Finalmente, na terceira camada, você atinge a chamada “Deep Web”. Aqui já há conteúdos bem diferentes dos habituais, como sites com vídeos de conteúdo pesado, fóruns de hackers, estudos comunitários de scripts e vírus, entre outros. Essa camada, no entanto, ainda que só possa ser acessada por meio do uso de Proxy, contém somente o material mais acessível da Deep Web.
    No submundo da internet
    Há muitos sites da Deep Web que podem ser acessados sem que você tenha o Tor instalado. Isso, no entanto, restringe o alcance da sua navegação, deixando que você fique “preso” aos conteúdos citados acima. Outro problema é que você provavelmente acabará com o seu PC recheado dos mais diferentes malwares.

    Visual antigo e livros dos mais diversos tipos para você baixar (Fonte da imagem: Reprodução/The Tor Library)
    Dessa forma, quem se aventura por esses lados deve seguir os conselhos de quem acessa a Deep Web com certa frequência – muitos dos quais afirmam que o Tor garante certo grau de proteção. De quebra, ele também permite que você acesse a outra parte dessa terceira camada.
    Com o Tor você já ganha acesso (caso encontre os sites, é claro) a diversos materiais mais avançados. Há quem diga que aqui existem fóruns extremamente técnicos sobre os mais diversos assuntos computacionais, incluindo dados sobre cosmologia.
    O nível 4, chamado “Charter Web” é uma versão mais avançada da terceira camada. Aqui, no entanto, o acesso a materiais ilegais começa a crescer de forma vertiginosa. Sites de vendas de drogas, vídeos banidos e extremamente ofensivos e até mesmo a chamada “Hidden Wiki” encontram-se nesse “lugar”.
    O lugar mais profundo
    A partir da quinta camada, poderíamos encontrar a chamada Mariana’s Web. O nome teria sido inspirado nas “Fossas Marianas”, conhecido como o lugar mais profundo dos oceanos em todo o Planeta Terra.
    Em um popular infográfico que rola pela internet, nessa parte da Deep Web começam especulações sobre a utilização de uma ferramenta chamada “Closed Shell Systems”, além de outra cujo nome é “Polymeric Falcighol Derivation”.
    Imagens bizarras descrevem a rede (Fonte da imagem: Reprodução/World Crunch)
    Isso tudo, no entanto, seriam alguns nomes e ferramentas fictícios, criados do nada e somente para que alguns novos e curiosos usuários acabassem fazendo papel de bobo. Brincadeiras à parte, no entanto, é sabido que muitas páginas da rede precisam de programas e configurações bem mais avançadas do que o Tor para serem acessadas.
    Esses sites é que dariam forma à chamada Mariana’s Web. Ela também se dividiria em categorias, trazendo a quinta, a sexta e a sétima camadas. Aqui, aquela regrinha continuaria a mesma, ou seja, quanto mais alto o nível acessado, mais avançados deveriam ser o usuário e as suas ferramentas.
    Conteúdos extremos de todos os tipos, incluindo tutoriais para terroristas, páginas com material adulto proibido e fóruns de assuntos inimagináveis, por exemplo, poderiam ser encontrados nessas camadas. Até mesmo algumas lendas e teorias da conspiração conseguem tomar forma nos confins da internet.
    Os assuntos secretos da Mariana’s Web
    Mas o que há de tão secreto na Mariana’s Web que precisa ficar escondido dessa forma? Não existe uma resposta 100% correta sobre o assunto, por isso, não há como apontarmos com certeza qual tipo de informação pode ser encontrado por lá. O que se sabe é baseado em relatos de usuários experientes em Deep Web e fóruns especializados no assunto.
    Segundo eles, diversos sites verdadeiramente macabros podem ser acessados na Mariana’s Web. Como os níveis de criptografia são bem avançados, algumas pessoas se sentem mais à vontade, vamos dizer assim, para oferecer os seus serviços.
    Algumas pessoas apontam sites que disponibilizam assassinos de aluguel. Empresas especializadas na venda de armas proibidas e de uso estritamente militar também poderiam ser encontradas nessas camadas mais longínquas da rede. Nessa toada mais sinistra há o comércio de seres humanos, animais raros e órgãos.
    Partido Chinês que busca liberdade nas camadas profundas da internet (Fonte da imagem: Reprodução/Cyberwise)
    Existem, também, as partes “não bizarras” dentro da Mariana’s Web. Alguns sites e fóruns controlados pelo Partido Pirata Chinês, grupo que defende a liberdade de expressão dentro do país, estão alocados nessas partes da internet.
    A troca de informações de um exército de hackers que se unem na luta contra a pedofilia online, algo muito comum dentro da Deep Web, também aconteceria nessas camadas mais profundas, em fóruns criados especialmente para tratar do assunto.
    Há quem acredite que algumas teorias da conspiração muito famosas na internet podem ter nascido na Mariana’s Web. Entre as informações estão, por exemplo, as de que a Haarp seria uma arma do exército dos Estados Unidos capaz de controlar forças da natureza em nosso planeta.
    Máquinas secretas de Nikola Tesla? (Fonte da imagem: Reprodução/Wikimedia Commons)
    Outros falam em uso da computação quântica por governos poderosos em todo o planeta, enquanto que há aqueles que dizem haver livros escritos por Nikola Tesla que seriam secretos e trariam informações sobre métodos incríveis de se obter e controlar a energia elétrica.
    E você, já sabia algo sobre a Deep Web e a Mariana’s Web? Já conhecia tais conceitos e essa divisão em camadas da parte mais secreta da internet? Para muitos, todo o conceito que envolve as páginas escondidas e todos os seus mistérios não passam de lendas da internet... O que você acha? Comente!
    Fonte: The Hidden Wiki, Cyberwise
    Via: Tecmundo, Revellati online

    MAÇONARIA - E SUAS CO-IRMÃS AS SOCIEDADES SECRETAS