BUSQUE AQUI MESMO

Carregando...

segunda-feira, 25 de maio de 2015

CATOLICISMO E A NOVA ORDEM MUNDIAL

É UMA PENA NAO TER AS IMAGENS DELE NESTA PALESTRA MAS ELE É BEM DETALHISTA SOBRE O ASSUNTO EU RECOMENDO POIS MUITOS CATOLICOS JA ESTAO SENDO DESCONDICIONADOS ELE FALA ABERTAMENTE SOBRE A MAÇONARIA CATOLICA E OS PADRES E BISPOS CASADOS SECRETAMENTE O PONTO CRUCIAL É QUANDO ELE FALA SOBRE A MISSA NEGRA DENTRO DO CATOLICISMO












sexta-feira, 22 de maio de 2015

NAMBLA NOS SIMPSONS [PORTUGUES]

NAMBLA, Humor e Media


               AMOR LIVRE ENTRE HOMENS E MENINOS


por Peter Herman


Vamos enfrentá-lo, há uma série de organizações que poderíamos citar que são muito maiores do que a nossa. No entanto, quantos angariar a quantidade de atenção que recebe? Como explicar o fascínio do público com o retrato da mídia de NAMBLA?

Apesar de 33 anos de existência NAMBLA e apesar do reconhecimento extraordinariamente elevado nome que chama, recebendo como faz referências frequentes na cultura popular, muito poucos fora do NAMBLA sabe ou pode identificar com precisão a missão da nossa organização e crenças. Em grande medida, isso se deve à mídia acrítica e irresponsáveis ​​que completamente distorcidas identidade da nossa organização. Poucos dos que dependem de mídia popular para sua informação estaria ciente da idéia real NAMBLA tem firmemente aderido ao - que o amor entre um homem e um menino, quando plena e livremente aceite por ambos os participantes e expressou de forma alguma mutuamente acordado e segura, é de enorme benefício não só para os indivíduos mas para a sociedade em geral também.

Nossa mensagem foi obviamente mutilado irreconhecível e divulgados a um público crédulo acostumados ao consumo acrítico dos meios de comunicação de massa. A suscetibilidade das pessoas para aceitar representações fantasmagóricas é tão antiga quanto a de sociedades humanas. Ainda hoje, muitos vão achar mais plausibilidade na "arrebatamento" do que na evolução darwiniana. Loucura humana não encontra limites em que as emoções, superstição e preconceito trunfo fatos.

Hoje, os pesquisadores abordam temas controversos, especialmente na sexualidade humana, que apresentam teorias contrárias às falsas noções acarinhados risco, apenas suas carreiras. Sem dúvida, os políticos e corporações tiveram um papel como eles acham que é essencial para influenciar a narrativa de mídia para promover suas próprias agendas. Felizmente, a queima do jogo é um pouco retro para gostos ocidentais modernas, mas não há como dizer como as sociedades distantes ainda pode regredir.

Humor, até agora, ainda é uma maneira segura de pillorying ignorância e crenças fátuo. A série de desenhos animados, The Simpsons, fez exatamente isso em muitas formas sutis e não tão sutis, incluindo muitas escavações no complexo industrial vitimização. Em um episódio recente, Os Simpsons sequer mencionado NAMBLA usando sua sigla correta, mas substituindo uma única letra "t" de "y" em seu título completo. Este é apenas o mais recente de paródias apresentadas por programas como South Park, Saturday Night Live e The Daily Show.

No recente episódio de Os Simpsons, Bart, o exemplar de travessuras de menino, na verdade, embarca em uma missão humanitária. Ele pede a ajuda do cientista nerd icônico da série e outros aliados igualmente nerds para reprogramar pelúcia, selos de bebê brinquedo robóticos de máquinas de ataque vicioso às criaturas adoráveis ​​ersatz originais que foram originalmente concebidos para ser.

Como criaturas huggable, eles estavam dando os velhinhos no "castelo aposentadoria" do vovô uma vontade de viver. Diretores de funerárias mal, sentindo uma redução no negócio, tinha reprogramado os selos de bebê de brinquedo para ser vicioso, animais agressores.

Quando a equipe de Bart atende, seu aliado cientista nerd, usando uma apresentação do PowerPoint, apresenta o projeto como "North American Man Bot Associação Love" com as letras iniciais de leitura vertical "NAMBLA". Um dos participantes, em seguida, diz: "Nós realmente deveríamos mudar esse nome", mas recebe a tréplica, "Eu vou mudá-lo para o que quiser, desde que Man Bot amor é em algum lugar."

Quando o projeto for concluído com êxito com os selos de brinquedo sendo permanentemente retornou ao seu estado amável bonito, nós os vemos encantando a todos, especialmente os residentes do castelo de aposentadoria que são vistos se abraçando e dançando com seus amigos artificiais. Aqueles familiarizados com o episódio de South Park NAMBLA pode ver uma referência à cena de dança de mau gosto nele. Mas onde South Park nos retrata como impondo a nós mesmos sobre os personagens menino, a cena paralela em Os Simpsons é uma alegria onde dificilmente se pode perder a substituição simbólica de bots para os meninos.


Há ainda mais simbolismo aqui quando consideramos os diretores de funeral 'indo a extremos para colocar os seus lucros à frente dos outros' felicidade (rodando algo que deveria ter trazido alegria em algo que trouxe terror), assim como a nossa sociedade vai a extremos para sustentar -se o status quo lucrativo, transformando os relacionamentos amorosos que deve ser uma fonte de felicidade em algo aterrador.

Alguém poderia argumentar que os criadores de Os Simpsons são simplesmente satirizando NAMBLA. Dadas as suas escavações incisivas últimos na histeria molester-under-cada-cama, é muito improvável que essa explicação. O breve diálogo citado anteriormente não suporta tal hipótese. No episódio em questão, noções sociais vazias são aqueles que estão sendo ridicularizados. Mas, em tudo bobagem da série, os criadores de Os Simpsons pode facilmente desfrutar de negação.

Assim tem sido sempre. O bobo da corte de idade poderia fugir com um monte. Em hilaridade, houve negação. Poucas pessoas percebem que o termo "yahoo" foi na verdade inventado pelo humorista do século 17 Jonathan Swift. As Viagens de Gulliver sua era mais do que um conto de fadas bobo da criança, mas uma crítica mordaz da política de seu tempo. Em um dos quatro viaja Swift tem Gulliver encontro "brutamontes", uma tribo de criaturas semelhantes a humanos avarentos imundas que estão desprezavam pelo "Houyhnhnms" uma corrida de cavalos nobres e inteligentes. Poucos de nobreza britânica que Swift pintado como "brutamontes" eram o mais sábio. Infelizmente, os nossos dias atuais "brutamontes" ainda estão por aí e ainda incapaz de reconhecer-se como tal.

Os Simpsons, talvez mais do que outras séries de banda desenhada satírico, incluindo as sátiras mencionados anteriormente, é incomum em ver tão bem através loucura humana, ao mesmo tempo em si parecendo completamente ridículo como As Viagens de Gulliver, uma vez também parecia.

O fascínio com a NAMBLA como torturado pela maioria dos meios de comunicação pode ser semelhante a fascinação com rostos distorcidos, gárgulas, quimeras e outros monstros. Estas são representações de que é familiar em nós mesmos ainda que tenham sido feitas a temer.

O que é encorajador nas atitudes apresentadas por, entre outros, os criadores de Os Simpsons, tanto neste episódio mais recente e os anteriores, é que eles estão falando com uma corrente dentro do público que não entende o disparate desses medos, mas estão com muito medo afirmar seriamente o óbvio, possivelmente, até mesmo para si.

Este ensaio, quando lidos por nossos detratores, irá sem dúvida ser visto como delirante. Isso tudo pode ser para o bem quanto nós não queremos atuais Jonathan Swifts para minar a si mesmos.

NAMBLA NOS SIMPSONS [INGLES]

NAMBLA, Humor and the Media



by Peter Herman



Let's face it, there are any number of organizations we could name that are much larger than ours. Yet, how many garner the amount of attention we get? How do we explain the public's fascination with the media's portrayal of NAMBLA?

Despite NAMBLA's thirty-three year existence and despite the remarkably high name recognition it draws, receiving as it does frequent references in popular culture, very few outside of NAMBLA know or can accurately identify our organization's mission and beliefs. In large measure, this is due to uncritical and irresponsible media which has thoroughly distorted our organization's identity. Few who depend on popular media for their information would be aware of the actual idea NAMBLA has steadfastly adhered to - that love between a man and a boy, when fully and freely accepted by both participants and expressed in any mutually agreed and safe way, is of immense benefit not only to both individuals but to the wider society as well.

Our message has obviously been mangled beyond recognition and disseminated to a gullible public accustomed to uncritical consumption of mass media. The susceptibility of people to accept phantasmagoric portrayals is as ancient as that of human societies. Even today, many will find more plausibility in the "rapture" than in Darwinian evolution. Human folly finds no bounds where emotions, superstition and prejudice trump facts.

Today, researchers tackling controversial subjects, especially in human sexuality, who present theories contrary to cherished false notions risk only their careers. No doubt, politicians and corporations have had a role as they find it essential to influence the media narrative to further their own agendas. Fortunately, burning at the stake is a little too retro for modern Western tastes, but there is no telling how far societies may still regress.

Humor, so far, is still a safe way of pillorying ignorance and fatuous beliefs. The cartoon series, The Simpsons, has done just that in many subtle and not so subtle ways including many digs at the victimization industrial complex. In a recent episode, The Simpsons even mentioned NAMBLA using its correct acronym but substituting a single letter "t" for "y" in its full title. This is but the latest of spoofs presented by such programs as South Park, Saturday Night Live and The Daily Show.

In the recent Simpsons episode, Bart, the exemplar of boyish mischief, actually embarks on a humanitarian mission. He enlists the help of the iconic nerdy scientist of the series and other equally nerdy allies to reprogram plush, robotic toy baby seals from vicious attacking machines to the original lovable ersatz creatures that they were originally designed to be.

As huggable creatures, they were giving the oldsters at grandpa's "retirement castle" a will to live. Evil funeral directors, sensing a reduction in business, had reprogrammed the toy baby seals to be vicious, biting animals.

When Bart's team meets, his nerdy scientist ally, using a PowerPoint presentation, introduces the project as "North American Man Bot Love Association" with the initial letters reading vertically "NAMBLA". One of the participants then says, "We really should change that name" but receives the rejoinder, "I'll change it to whatever you like as long as Man Bot Love is in there somewhere."

When the project is successfully completed with the toy seals being permanently returned to their cute lovable state, we see them charming everyone, especially the residents of the retirement castle who are seen hugging and dancing with their artificial friends. Those familiar with the South Park NAMBLA episode may see a reference to the tawdry dance scene therein. But where South Park portrays us as imposing ourselves on the boy characters, the parallel scene in The Simpsons is a joyous one where one can hardly miss the symbolic substitution of bots for boys.


There is further symbolism here when we consider the funeral directors' going to extraordinary lengths to put their profits ahead of others' happiness (by turning something that should have brought joy into something that brought terror) just as our society goes to extraordinary lengths to prop up the profitable status quo, turning loving relationships which should be a source of happiness into something terrifying.

One could argue that the creators of The Simpsons are simply lampooning NAMBLA. Given their past trenchant digs at the molester-under-every-bed hysteria, this explanation is very unlikely. The brief dialogue quoted earlier does not support such a hypothesis. In the episode at hand, vacuous societal notions are those being ridiculed. But in all of the series' silliness, the creators of The Simpsons can easily enjoy deniability.

So it has always been. The court jester of old could get away with a lot. In hilarity, there was deniability. Few people realize that the term "yahoo" was actually coined by the 17th century satirist Jonathan Swift. His Gulliver's Travels was more than a child's silly fairy tale but a biting criticism of the politics of his time. In one of the four travels Swift has Gulliver encounter "yahoos", a tribe of filthy avaricious human-like creatures who are looked down upon by the "Houyhnhnms" a race of noble and intelligent horses. Few of the British nobility that Swift painted as "yahoos" were any the wiser. Unfortunately, our present day "yahoos" are still around and still unable to recognize themselves as such.

The Simpsons, perhaps more than other satirical cartoon series, including the previously mentioned satires, is unusual in seeing so well through human folly, all the while itself seeming utterly foolish as Gulliver's Travels once also seemed.

The fascination with NAMBLA as tortured by most media may be akin to fascination with distorted faces, gargoyles, chimeras and other monsters. These are representations of what is familiar in ourselves yet which we have been made to fear.

What is encouraging in the attitudes presented by, among others, the creators of The Simpsons, both in this latest episode and past ones, is that they are speaking to an undercurrent within the public that does understand the silliness of these fears but are too afraid to seriously state the obvious, possibly even to themselves.

This essay, when read by our detractors, will no doubt be viewed as delusional. This may all be to the good as we do not want present-day Jonathan Swifts to undercut themselves.

quinta-feira, 21 de maio de 2015

ISLAMISMO E A PEDOFILIA [PORTUGUES]

Islamismo EA pedofilia
Pedofilia é uma pedra angular do Islã 
Dave Gibson 2015/02/05 
ESTE LADO OCULTO DESTA QUE É A MAIOR RELIGIAO MUNDIAL COM MAIS DE 2,5 BILHOES DE SEGUIDORES A MIDIA PODRE NAO MOSTRA !!!!!!!

Abuso sexual infantil não só é muito difundida em todo o mundo muçulmano, mas é completamente aceito como uma prática padrão por homens muçulmanos. De fato, em 2012, os advogados do Pentágono, a pedido da administração Obama elaborou um manual Exército que proibia qualquer crítica de abuso sexual de crianças por tropas que servem em países muçulmanos. 

O manual de 75 páginas afirma tropas devem evitar "fazer comentários depreciativos sobre o Taleban, que defende os direitos das mulheres, qualquer crítica à pedofilia, direcionando qualquer crítica em direção afegãos, mencionando a homossexualidade e conduta homossexual" ou "qualquer coisa relacionada ao Islã" Judicial Watch relatou. 

É claro que, quando se fala sobre o tema da pedofilia na cultura islâmica, não se pode ignorar o 'Chomo "original (gíria prisão por molester criança) ... o próprio profeta, Maomé. 

Muhammad se casou com sua noiva, Aisha, aos seis anos, mas teria esperou até que ela tinha 9 anos de idade para deflorar o jovem. 


Em 2011, o clérigo muçulmano Dr. Salih bin Fawzan tentou racionalizar o comportamento criminoso de Maomé na seguinte (texto em vez risível): 

A história do casamento profetas para Aisha nos revela aspectos como os profetas conduzir com Aisha, e mais importante aspecto a respeito da relação entre o marido ea mulher, para mostrar como se deve tratar sua esposa, assim como o profeta fez com Aisha. 

Sabemos que Asias mãe foi para levá-la para baixo do balanço que ela estava jogando para arrumar o cabelo e prepará-la para o profeta que ele pudesse entrar em seu [fazer sexo com ela] e ela fez isso tudo na mesma dia. 

Isso se torna ainda mais repugnante ... 

Então você vê, ela estava brincando com seus companheiros playmates mesmo que seu dia da consumação era esse mesmo dayand tudo o que eles fizeram foi para corrigir-la para o profeta que ele pudesse fazer sexo com ela. 

Agora o que vamos ver quando o profeta se casou com Aisha? Será que ele vá até ela e dizer que não há problema dele, você é casado, você é agora um adulto, você é suposto ser madura, você precisa fazer isto e aquilo; você precisa esquecer sobre seus brinquedos e seus amiguinhos; agora você é uma esposa de um homem, você tem que ver para minhas necessidades e que é ele? 

Não. O profeta permitiu que ela continuasse brincando com seu brinquedo dollsindeed, o profeta até, por vezes, lhe deu essas coisas para brincar. 

Este mesmo clérigo saudita emitiu uma fatwa declarando que não deve haver nenhuma exigência de idade mínima para que as meninas se casam, "mesmo que estejam no berço", e simplesmente que eles são capazes de ser colocado por baixo e com o peso dos homens. 

E, na tradição do profeta pedófilo, vários países chamados "moderados muçulmanos" não têm idade mínima para que as meninas se casam, estes incluem: Arábia Saudita, Catar, Emirados Árabes Unidos (EAU) e Iêmen. 

Há vários anos, a idade mínima para o casamento no Iêmen tinha 15 anos, mas que foi abolido em 1999. Extra-oficialmente, os clérigos iemenitas concordou que a puberdade começa com a idade de nove anos, therfore que é quando os maridos devem começar a ter relações sexuais com suas noivas-crianças, de acordo com um relatório da Human Rights Watch.

ISLAMISMO E A PEDOFILIA [EM ESPANHOL]

ISLAM Y LA PEDOFILIA
La pedofilia es una piedra angular del Islam 
David Gibson 05/02/2015 
ESTE LADO OCULTO DESTA QUE É A MAIOR RELIGIAO MUNDIAL COM MAIS DE 2,5 BILHOES DE SEGUIDORES A MIDIA PODRE NAO MOSTRA !!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Abuso de menores no es sólo generalizado en todo el mundo musulmán, pero está completamente aceptado como una práctica habitual por los hombres musulmanes. De hecho, en 2012, los abogados del Pentágono, a petición de la administración de Obama redactó un manual del ejército que prohibía cualquier crítica de abuso sexual de menores por las tropas que sirven en los países musulmanes. 

El manual de 75 páginas tropas establecidas shouldnt evitar "hacer comentarios despectivos sobre los talibanes, Defensa de los derechos de las mujeres, cualquier crítica de la pedofilia, la dirección de cualquier crítica hacia los afganos, la homosexualidad y homosexual mencionar conducta" o "cualquier cosa relacionada con el Islam," Judicial Watch informó. 

Por supuesto, al hablar sobre el tema de la pedofilia en la cultura islámica, no se puede ignorar el 'chomo "original (argot prisión por pederasta) ... el mismo profeta, Mahoma. 

Mahoma se casó con su novia, Aisha a los seis años, pero según los informes esperó hasta que ella tenía 9 años de edad desflorar el joven. 


En 2011, el clérigo musulmán Dr. Salih bin Fawzan trató de racionalizar el comportamiento criminal de Mahoma en el (texto en lugar de risa) a seguir: 

La historia de los profetas matrimonio con Aisha nos revela aspectos como los profetas realizar con Aisha, y lo más importante el aspecto respecto a la relación entre el marido y la mujer, para mostrar cómo una shouldnt tratar a su esposa, al igual que el profeta hizo con Aisha. 

Sabemos Que Asias madre fue a llevarla hacia abajo desde la cola columpio que estaba jugando a arreglarse el cabello y prepararla para el profeta para que pudiera entrar en ella [tener vie con ella] y ella hizo que todos en el mismo día. 

Se hace aún más repugnante ... 

Así que ya ves, ella estaba jugando con sus compañeros de los compañeros de juego a pesar de que su día de la consumación era Que mismo dayand Ellos hicieron todo lo que era para arreglar su para el profeta para que pudiera tener vie con ella. 

Ahora, ¿qué es lo que vemos cuando el Profeta se casó con Aisha? ¿Fue a ella y decir que eso es Okay, usted está casado, usted está un crecido ahora, se supone que debes ser maduros, lo que necesita hacer esto y Que; que necesita para olvidarse de sus juguetes y sus amiguitos; usted es ahora la esposa de un hombre, que tiene que ver a mis necesidades y eso es todo? 

No. El profeta le permitió seguir jugando con ella dollsindeed juguete, el profeta hasta a veces Casette sus cosas para jugar. 

Este mismo clérigo saudí emitió una fatwa declarando Que allí no debería ser la edad mínima requisito para que las niñas se casan ", incluso si se encuentran en la cuna", y simplemente Que Ellos son capaces de ser colocado por debajo y que lleva el peso de los hombres. 

Y, en la tradición del profeta pedófilo, varios países llamados "moderados musulmanes 'no tienen la edad mínima para que las niñas se casan, estos incluyen: Arabia Saudita, Qatar, los Emiratos Árabes Unidos (EAU) y Yemen. 

Hace varios años, la edad mínima para contraer matrimonio en Yemen era 15, pero Que fue abolida en 1999. Extraoficialmente, los clérigos yemenitas acordaron Que la pubertad comienza a la edad de nueve años, therfore que es cuando comienzan a tener maridos shouldnt vie con su hijo novias, acuerdo el informe de Human Rights Watch.

ISLAMISMO E A PEDOFILIA

Pedophilia is a Cornerstone of Islam
 Dave Gibson 02/05/2015


Child molestation is not only widespread throughout the Muslim world, but is completely accepted as a standard practice by Muslim men. In fact, in 2012, Pentagon lawyers, at the request of the Obama administration drafted an Army manual which forbade any criticism of child molestation by troops serving in Muslim countries.

The 75-page handbook stated troops should avoid “making derogatory comments about the Taliban, advocating women’s rights, any criticism of pedophilia, directing any criticism towards Afghans, mentioning homosexuality and homosexual conduct” or “anything related to Islam,” Judicial Watch reported.

Of course, when speaking on the topic of pedophilia in Islamic culture, one cannot ignore the original ‘chomo’ (prison slang for child molester)…the prophet himself, Muhammad.

Muhammad married his bride, Aisha at age six, but reportedly waited until she was 9-years-old to deflower the youngster.


In 2011, Muslim cleric Dr. Salih bin Fawzan tried to rationalize Muhammad’s criminal behavior in the following (rather laughable text):

The story of the prophet�s marriage to Aisha reveals to us aspects like the prophet�s conduct with Aisha, and more importantly the aspect regarding the relationship between the husband and wife, to show how one should treat his wife, just as the prophet did with Aisha.

We know that Asia�s mother went to take her down from the swing that she was playing on to fix her hair and prepare her for the prophet so he could enter her [have sex with her]�and she did that all on the same day.

It gets even more sickening…

So you see, she was playing with her fellow playmates even though her day of consummation was that very same day�and all that they did was to fix her up for the prophet so he could have sex with her.

Now what do we see when the prophet married Aisha? Did he go to her and say �Okay that�s it, you�re married, you�re now a grown up, you�re supposed to be mature, you need to do this and that; you need to forget about your toys and your little friends; you are now a wife of a man, you have to see to my needs� and that�s it?

No. The prophet allowed her to continue playing with her toy dolls�indeed, the prophet even sometimes gave her such things to play with.

This same Saudi cleric issued a fatwa stating that there should be no minimum requirement age for girls to marry, “even if they are in the cradle,” and simply that �they are capable of being placed beneath and bearing the weight of the men.�

And, in the tradition of the pedophile prophet, several so-called ‘moderate Muslim’ countries have no minimum age for girls to marry, these include: Saudi Arabia, Qatar, the United Arab Emirates (UAE) and Yemen.

Several years ago, the minimum age for marriage in Yemen was 15, but that was abolished in 1999. Unofficially, Yemeni clerics agreed that puberty begins at the age of nine, therfore that is when husbands should begin having sex with their child brides, according to a Human Rights Watch report.

MAÇONARIA - E SUAS CO-IRMÃS AS SOCIEDADES SECRETAS