BUSQUE AQUI MESMO

Carregando...

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

MK ULTRA CONTROLE DA MENTE MONARCA

Latest Event Updates

Sucker Punch e sua critica ao MK, e o processo de controle da CIA.

Mundo Surreal (Sucker Punch) é um thriller de ação e fantasia que promete aos seus espectadores duas coisas: meninas e explosões. E oferece bastante. Mas por trás das saias e shorts curtos e os efeitos CGI, o filme esconde uma história perturbadora subjacente: Mundo Surreal é sobre a vida de um escravo de controle da mente que se dissocia da realidade para escapar do trauma causado pelo abuso. Este artigo analisa o significado oculto e simbolismo em Mundo Surreal (Sucker Punch).
Aviso: Este artigo trata de assuntos perturbadores e contém grandes spoilers.
Produzido por Zack Snyder (Watchmen, 300), Mundo Surreal descreve a busca de uma menina tentando escapar de um hospital psiquiátrico onde ela foi violentamente colocada. Para atingir este objetivo, nossa heroína, “Baby Doll”, e saus amigas, devem encontrar cinco itens que serão utilizados para fugir da instituição. A maioria dos críticos não gostaram do vídeo enredo de Mundo Surreal e estavam confusos sobre seus vários níveis de realidades alternativas.
O filme vem transversalmente como confuso, porque não há um fato importante sobre esse filme que não é conhecido pela a maioria dos telespectadores, que torna o filme (um pouco mais) coeso e coerente: Mundo Surreal é baseado no controle da mente baseado em trauma. Contando a história de uma vítima de programação Monarca (mais especificamente Beta ou programação Sex-Kitten), e como ela se torna cada vez mais dissociativa. O filme se passa na psique do escravo, onde a dissociação é um mecanismo de defesa para escapar do trauma insuportável de abuso. Os profundos segredos sombrios de controle da mental Monarca nunca são verdadeiramente apresentados na tela, e ainda estão implícitas em significados e símbolos ao longo do filme.
(Nota: Se você não estiver familiarizado com a programação Monarca, sugerimos que você leia os artigos no final desta matéria).
Mundo Surreal fornece um gosto da confusão vivida por reais escravos MK, com os temas em filmes para seus telespectadores a alguns pensamentos torcidos: ilusão, engano, reversões e ambigüidade. Com o avanço do filme, a linha entre realidade e ficção se torna cada vez mais borrada e as mensagens ficam misturadas. Pelo valor de superfície, o filme pode ser percebido como sendo sobre o empoderamento das mulheres, mas o simbolismo de controle da mente do filme indica que ele é realmente sobre o exato oposto. Nossa boneca herói está procurando por “liberdade”, mas, no final, “liberdade” não é definitivamente o que ela achava que seria. Na verdade, todo o filme pode ser entendido de duas maneiras completamente opostas, tornando a mente bastante dobrável (por assim dizer). Mundo Surreal começa com uma voz fora da tela dizendo:
“Todo mundo tem um anjo. Um guarda que zela por nós. Não podemos saber de que forma eles vão aparecer. Um dia, meu velho. No dia seguinte, menina. Mas não deixe que as aparências enganem. Eles podem ser tão ferozes quanto qualquer dragão. No entanto, eles não estão aqui para lutar as nossas batalhas … mas a sussurrar do nosso coração … lembrando que somos nós. É cada um de nós que detém o poder sobre os mundos que criamos. “
Como em muitas outras partes do filme, esta introdução pode se referir a anjos da guarda a ajudar as pessoas a cuidarem de suas vidas ou aos manipuladores de controle mental que têm o poder de manipular os pensamentos de escravos MK. Este é somente um dos vários possíveis significados duplos no filme.
Abuso em Casa
1
Seqüências do filme onde apresenta a Baby Doll na fonte de trauma: um padrasto mal. Baby Doll e o padrasto bêbado que está olhando para abusar dela. Muitos escravos Monarcas vêm de lares abusivos ou de famílias multi-geracionais de abusos ritualísticos.
O filme se passa durante 1950-60 (apesar de anacronismos gritantes), um período durante no qual os experimentos MK-Ultra reais foram conhecidos por estarem ocorrendo. O protagonista principal de Mundo Surreal é uma menina de 20 anos de idade, conhecida apenas como boneca. Seu nome sugere fortemente o controle da mente: “bonecas” não controlam os seus movimentos ou ambientes. O plano de fundo Baby Doll e a estrada ao controle da mente reflete a história de muitos escravos monarcas na vida real: um pai abusivo causado traumas múltiplos em uma idade jovem, tornando-a predisposta a dissociação. Sua “propriedade” é então transferida para uma instituição onde a programação real ocorre, sob a supervisão de especialistas (manipuladores).

A história da Baby Doll é de fato a história típica de escravos monarcas reais, que muitas vezes são vítimas de abusos em uma idade jovem. Após vários anos de maus-tratos, os números cruéis dos pais têm problemas, então se não entregassem as crianças às autoridades MK – para limpá-los das possíveis acusações criminais, poderiam sofrer por anos de abuso.
“O tipo de pai que é o mais preferido pelos programadores para oferecer os seus filhos para a programação são os pedófilos. Se um pai vai abusar de sua própria filhinha pequena, então os programadores sabem que o homem não tem consciência. Este envolvimento do pai em atividades criminosas (e, assim, sua vulnerabilidade) podem ser aumentadas continuamente. Eles querem que os homens acreditem que não vão desenvolver qualquer escrúpulo mais tarde na vida sobre o que eles fizeram. ” - Fritz Springmeier, The Illuminati Formula to Create a Mind Control Slave
2
Feridas no padrasto ao redor do olho produz uma ênfase no “um-olho”, símbolo que representa, como visto em outros artigos, controle mental Illuminati. O símbolo de um-olho aparece em outros casos durante o filme.
O padrasto chama a polícia e acusa Baby Doll de matar sua própria irmã – um crime que ele cometeu. Ela é presa pela polícia e imediatamente drogada. Seu calvário como um escravo Monarca começa.
É dado a Baby Doll sedativos por funcionários do Estado e a levam para a instituição para doentes mentais, o que acaba por ser um local de programação de controle da mente. Escravos de controle da mente estão constantemente drogados por seus manipuladores para facilitar a sua programação.
Local da Programação
3
Baby Doll é levada a força para a instituição. Várias instituições de saúde mental eram locais de controle mental utilizados pela CIA
A instituição mental em que Baby Doll é colocada tem todas as características de um local de programação de controle da mente. A ameaça de abuso físico e sexual é constante durante todo o filme e várias técnicas são usadas para disparar a dissociação.
A música é extremamente importante na instituição (e no controle mental real monarca) onde é utilizado como uma ferramenta de programação. A maioria das músicas ouvidas durante o filme tem letras sugestivas, que, no contexto do controle da mente, podem desencadear dissociação. Quando Baby Doll é levada para sua cela, a música da Yoav, “Where Is My Mind” é ouvida. A letra descreve a sensação de dissociação:

Com os pés no ar e sua cabeça no chão
Experimente este truque e gire-a, yeah
Sua cabeça vai colidir,
Se não há nada nela
Então você vai se perguntar:
Onde está minha mente?
Onde está minha mente?
Onde está minha mente?
Na instituição, Baby Doll descobre que seu padrasto pagou para sujeitá-la à forma final do controle da mente: uma lobotomia completa. O administrador da instituição mental diz ao padrasto: “Não se preocupe, ela não vai mesmo lembrar o nome dela quando eu terminar com ela”.
 O filme então avança rapidamente para a cena da lobotomia.
4
Lobotomias foram realizadas através da inserção de um instrumento afiado através de um olho da vítima para “desativar” o córtex pré-frontal. O filme enfatiza o simbolismo da agulha passando por um olho, uma vez que representa simbolicamente controle da mente Illuminati.
Logo no momento em que o médico está prestes a martelar o orbitoclast no cérebro da Baby Doll, a dissociação ocorre e os espectadores são levados para uma realidade alternativa. Somos levados ao mundo dissociativo imaginário criado pela psique da Baby Doll, no qual ela encarna uma personalidade alter: uma gatinha Beta.
A Realidade Alternativa
No controle mental monarca, existem vários tipos de programação, dependendo da utilização que os manipuladores querem fazer do escravo. Em Mundo Surreal, é óbvio que Baby Doll e suas amigas estão sujeitas à programação Beta – também conhecida como programação Kitten. A ênfase no início do filme sobre o abuso de seu padrasto é, em termos de programação Monarca, a âncora.
“Toda a programação de cada um e cada escravo está ancorada em cima de algum tipo de trauma. Um dos primeiros e fundamentais traumas serão vigiados, filmados, codificados e usados como uma âncora. Por exemplo, o abuso mais brutal de uma menina por seu pai será usado como uma âncora sobre o qual construirá a programação Beta. (…) A Psicose Extrema é criada dentro de uma criança tentando lidar com os problemas criados pelo incesto da criança é mais importante de sua figura paterna. “ - Ibid.
Na realidade alternativa da Baby Doll, a instituição mental torna-se um clube dirigido por um mafioso – que é, na vida real, administrador da instituição. Os “doentes mentais” da instituição são dançarinos … com extras. Esta versão distorcida da realidade implica uma coisa importante que não é diretamente mencionada no filme: Se Baby Doll se envolve em prostituição em sua realidade alternativa, isso implica que ela é sujeita ao mesmo tratamento na instituição mental. Na programação Monarca real, o abuso repetido e sistemático é usado para criar trauma e dissociação.
Em sua realidade alternativa, Baby Doll incorpora um personalidade alternativo – que é chamado de gatinha – que estão programadas para dar favores. A programação remove a inibição e, como veremos, Baby Doll será treinada para “deixar-se ir” e tornar-se sensual na demanda.
É durante a cena da lobotomia que é a primeira dissociação da Baby Doll, transformando a operação sórdida em uma rotina de dança sedutoras.
5
Baby Doll sendo amarrada e preparada para a lobotomia.
6
O Mundo alternativo de Baby Doll está refletindo e ainda distorcendo na sua lobotomia – agora é a premissa de uma rotina de dança erótica.
Apesar das aparências em contrário, nunca o filme realmente condena a prostituição forçada ou até mesmo práticas de controle da mente. Tudo é transformada em uma fantasia, tornando a situação legal e atraente. Por exemplo, Baby Doll e seu alter persona Kitten é constantemente vestida como uma estudante que é trazida por um padre.
7
Baby Doll e a alter persona Sex Kitten tem um passado diferente. Os escravos de programação Monarca são programados para ter alters diferentes, que têm um passado diferente, atitudes diferentes e, às vezes, até mesmo fala com sotaques diferentes do que é “real” da persona. No caso da Baby Doll, seu padrasto abusivo se torna um padre.
Gatinhas Beta
Em sua realidade alternativa, Baby Doll é forçada a dançar e agradar os clientes. Desde que seu mundo alternativo é um produto de dissociação, o “adoçamento” da realidade é feito para torná-lo suportável, podemos deduzir que ela é forçada a fazer na instituição real o mesmo em seu mental, mas o filme nunca realmente mostra isso.
8
Baby Doll está sendo avisada que ela está aqui para agradar os clientes. As almofadas com toques felinos aludem a programação gatinha-sexy
9
Sweet Pea, outra “paciente”/escrava, praticando seus movimentos de dança. Ela está usando uma roupa felina, usado no controle da mente monarca para identificar as gatinhas Beta.
10
Blondie, interpretada por Vanessa Hudgens, também usa estampas felinas. Apesar de não ser loira, ela é chamada de Blondie, refletindo a obsessão na programação Kitten com loiras (veja Marilyn Monroe)
Vanessa Hudgens é uma ex-estrela da Disney, como dissemos em artigos anteriores, existem numerosas ligações entre as estrelas da Disney enquanto crianças e a programação Monarca.
11
Hudgens tem essa tatuagem de borboleta (que foi altamente divulgada por alguma razão) em todo o tempo de Mundo Surreal é mostrado. As tatuagens são usadas na programação Monarca para identificar escravos.
Espelhos e Borboletas
Não muito diferente de outros filmes sobre temas do controle da mente, efeitos complicados de espelho e confusas reflexões são muitas vezes utilizadas durante o filme para simbolizar a indefinição da linha entre realidade e ficção e dar aos espectadores uma sensação pequena do mundo de um escravo MK.
12
Espelhos complicados e movimentos de câmera causam aos espectadores perceberem que eles estavam olhando para reflexões invertidas durante uma cena inteira – alertando-os a nunca confiar no que vêem. Observe a borboleta entre os espelhos, um símbolo da programação Monarca.
13
Quando um dos escravos é baleado e morto por Blue, o clube do proprietário, a câmera se move para um espelho iluminado a partir do qual cai um retrato do bebê dela. Observe a borboleta.
14
Quase todos os filmes sobre o controle da mente apresentam um espelho quebrado em um ponto – o que representa a quebra da personalidade do escravo. Em Mundo Surreal, o espelho se despedaça quando Blue tenta atacar Baby Doll.
Segundo Nível de Dissociação
Então onde é que as cenas de ação legais cabem em toda essa confusão perturbadora e assustadora? Bem, todos eles acontecem na cabeça da boneca como uma maneira de escapar da realidade. Cada cena de ação ocorre quando boneca é forçado a executar uma dança sedutora.
Utilizando a música como uma ferramenta de programação, Vera Grosky (médica da instituição que se torna o instrutora de dança na realidade alternativa) diz a Baby Doll para “deixar tudo ir”. Em outras palavras, ela deve dissociar. Seguindo as ordens de Vera, quando a música começa, Baby Doll é catapultada para um segundo nível de mundo de fantasia. Durante a duração da música, a dança se transforma, dentro da cabeça da Baby Doll em uma cena de ação imaginária que vagamente reflete a realidade. Este nível múltiplo de dissociação é um mecanismo de defesa de Baby Doll contra a realidade fria e dura: o terceiro nível da cena de ação significa que ela está dançando no segundo nível do clube, o que significa que ela provável está sendo abusada no primeiro nível do instituição mental (Espero que isto não seja muito confuso).
15
Durante a sua primeira dança, Baby Doll dissocia para um mundo semelhante ao Japão feudal. Ela está vestindo uma roupa curta de menina escolar, lembrando a todos que, por trás de tudo isto, a verdade é que ela está sendo usada pelo corpo dela.
Durante esta cena de primeira ação dissociativa, Baby Doll encontra o “Sábio”, o guia que irá levá-la a “liberdade” … e eu uso essa palavra entre aspas por um motivo. Embora possa parecer que todo o filme, o guia Wise Man de Baby Dolls para a liberdade, ele sabe o tempo todo que sua ajuda vai levá-la para o exato oposto – a lobotomia total. Mais sobre isso mais tarde.
Na segunda cena a ação ocorre na Alemanha, durante a Primeira Guerra Mundial. Mais uma vez, Baby Doll é forçada a dançar. A música que ela deve dançar é extremamente significativa: É um remake de Coelho Branco, canção clássica por Jefferson Airplane. No contexto do controle da mente, a letra da música assume um profundo significado:
Uma pílula deixa você grande
E uma pílula deixa você pequeno
E aquelas que a sua mãe lhe dá
Não fazem efeito algum.
Pergunte à Alice
Quando ela estiver alta
E se você for caçar coelhos, 
E souber que irá falhar,
Mostre a eles que uma lagarta fumando “Narguilé”
Tem feito o chamado para você.
Chame a Alice
Quando ela estiver apenas pequena.
Quando os homens no tabuleiro de xadrez 
Levantarem e lhe disserem onde ir,
E você consumira há pouco um tipo de cogumelo
E sua mente estiver movendo-se lentamente,
Pergunte à Alice;
Eu acho que ela saberá.
Quando lógica e proporção 
Tiverem caído por terra
E o Cavaleiro Branco estiver falando ao contrário
E a rainha vermelha “corte a cabeça dela!”
Lembre-se o que o rato silvestre disse:
“Alimente sua cabeça
Alimente sua cabeça
Alimente sua cabeça”
Essa música clássica pode ser interpretada de várias maneiras mas, no contexto do filme, ela se encaixa perfeitamente ao tema do controle da mente. Como pode ser visto em artigos anteriores, o filme Alice no País das Maravilhas é usado como uma ferramenta para a programação Monarca, onde é contado ao escravo a “seguir o Coelho Branco” através do espelho – o Olhar o Espelho igualando dissociação. Por esta razão, o símbolo do coelho branco tornou-se um símbolo importante de controle da mente na cultura popular.
16
Na cena de ação da Primeira Guerra Mundial, as meninas montam um “mecanismo” que caracteriza proeminente o símbolo MK do coelho branco
As outras cenas de ação  seguem o mesmo padrão: Uma canção dissociativa como gatilho para Baby Doll entrar em um mundo de fantasia onde ela deve cumprir uma missão. Cada missão é uma versão distorcida da missão na vida real e ela e suas amigas devem realizar para, no fim, fugir da instituição e encontrar a liberdade.
As meninas obtêm sucesso e os itens necessários, mas não sem mortes e sacrifícios ao longo do caminho.
Indo para o “Paraíso”
Durante todo o filme, único objetivo da Baby Doll é “deixar este lugar” e “ser livre”. Em numerosas ocasiões, o processo é referido como “ir para o Paraíso”. No entanto, como escravos de controle mental, os espectadores dos filmes são confundidos com o discurso duplo enganoso e inversões – usando palavras atraentes para descrever realidades horríveis. No filme, “Paraíso” e “Liberdade” não igualam a escapar da instituição mental, mas sim significa dissociação completa da realidade. O homem sábio que parece estar guiando Baby Doll para “liberdade” de fato leva à aceitação de sua lobotomia como a única maneira de realmente “ser livre”.
Esse final perturbador reflete a realidade ainda mais preocupante de escravos Monarcas: mesmo com os apertos de escapar de seus manipuladores, eles não podem escapar do sofrimento e do trauma de terem sido submetidos. Baby Doll aparentemente percebe esse fato. Assim, no final, em vez de fugir da instituição com sua amiga Sweet Pea, ela age como uma verdadeira heroína e se sacrifica para libertar sua amiga, criando um desvio que permite a fuga de sua amiga. Baby Doll é apreendida e levada para ser lobotomizada.
Depois que o médico realiza a lobotomia, ele diz:
“Você viu o jeito que ela olhou para mim? Apenas no último momento. Era como … ela queria que eu fizesse isso “.
Pelo menos, o sacrifício Baby Doll permite que Sweet Pea escape da instituição e seja livre, certo? Não tenha tanta certeza.
Após a fuga, Sweet Pea é mostrada em uma estação de ônibus prestes a sair da cidade. Quando ela entra no ônibus, um garoto, que parece estranhamente familiar, olha para ela.
17
O estranho garoto aleatório na estação de ônibus é o mesmo aleatório garoto esquisito que apareceu no cenário da Primeira Guerra Mundial. Desde que a cena foi o resultado de dissociação, é a cena da estação de ônibus também imaginária?
Quando Sweet Pea vê a placa do ônibus, ela percebe que o motorista do ônibus é o homem sábio que guiou Baby Doll em direção a sua lobotomia. Ele diz para ela descansar um pouco porque ela tem “um longo caminho a percorrer”. É ele levando-a a liberdade ou a um “paraíso” dissociativo?
18
Quando o ônibus anda pela estrada distante, vemos um outdoor dizendo: “Restaurante Paraiso”.
MKULTRA – CIA PROJECT
MKULTRA foi o nome de código dado a um programa ilegal e clandestino de experiências em seres humanos, feito pela CIA – o Serviço de Inteligência dos Estados Unidos da América. As experiências em seres humanos visavam identificar e desenvolver drogas e procedimentos a serem usados em interrogatórios e tortura, visando debilitar o indivíduo para forçar confissões por meio de controle de mente, mas tarde tambem seria provado que estes procedimentos foram usados pela cia para controle também da população de cidades e movimentos sociais que lutavam e organizavam passeatas contra o capitalismo, alem é claro ter sido usado por presidentes e deputados contra Politicos de opsição em diversos governos do Estados Unidos.
O experimento também foi testado em pacientes de Hospitais psiquiátricas (hospícios) ,Asilos e em prisioneiros de Guantánamo.
As várias drogas utilizadas, todas do tipo drogas psicoativas, incluiram MescalinaLSD e outras.
As experiências do MKULTRA têm relação com o desenvolvimento de técnicas de tortura contidas nos Manuais KUBARK divulgadas também pelos treinamentos da Escola das Américas.
No livro “Torture and Democracy” (Tortura e Democracia em Português), do Professor Darius Rejali, ele traça a História do desenvolvimento de métodos de tortura incluindo a passagem pelos estudos da CIA no MKULTRA, os Manuais KUBARK , as técnicas utilizadas em Abu Ghraid e a evolução de tortura desde os tempos medievais como uma atividade de interesse de vários governos.
O autor e psiquiatra Harvey Weinstein estabeleceu o relacionamento direto das pesquisas em controle da mente feitas na Inglaterra pelo psiquiatra britanico William Sargant, envolvido nas pesquisas do MKULTRA na Inglaterra, com as experiências de Ewen Cameron no Canadá também para o MKULTRA e com métodos atualmente usados como meios de tortura como , por exemplo, uso de drogas alucinógenas como agentes desinibidores e privação de sono.4 Ewen Cameron frequentemente contou com a colaboração de William Sargant, tendo ambos sido ligados aos experimentos da CIA.
Origens
As experiências foram feitas pelo Departamento de Ciências da CIA – Central Intelligence Agency Directorate of Science & Technology|Office of Scientific Intelligence, em Inglês.
Aprovação por Sidney Gottlieb para sub projeto usando LSD.
O programa secreto começou no início dos anos 1950 e continuou até pelo menos o fim dos anos 1960.
Há pesquisadores que afirmam que o programa provavelmente foi apenas interrompido ou escondido, tendo prosseguido clandestinamente. Como cobaias humanas, MKULTRA realizou testes sem consentimento em estrangeiros. As experiencias ilegais foram realizadas não apenas sem consentimento mas também, na maioria dos casos, com vítimas masoquistas que sabiam que estavam sendo utilizadas como cobaias humanas.
Experiências
Muitas das vítimas do MKULTRA foram testadas sob o efeito de drogas, e jamais foram identificadas ou indenizadas pelos danos que foram causados a eles. Um dos casos que foi levado ao conhecimento público é o de um cientista americano que faleceu após haver sido involuntária e secretamente drogado com LSD pela CIA. Os agentes presentes disseram que o que se tinha passado era que Orson (o cientista) tinha cometido suicídio, saltando da janela de um hotel. A família do Dr. Orson continua até a presente data a lutar para apurar a veracidade sobre a versão da CIA com relação aos fatos que culminaram na sua morte.
As drogas usadas no MKULTRA são drogas que visam alterar as funções do cérebro humano e manipular o estado mental dos seres humanos. Tais drogas foram usadas sem o conhecimento ou consentimento daqueles em quem foram aplicadas, tendo sido um dos objetivos do projeto exatamente desenvolver meios de aplicar tais drogas sem que a vítima tivesse conhecimento de que estaria sendo drogada. Evidência publicada através da liberação de apenas parte dos documentos do Projeto MKULTRA, indica que a pesquisa envolveu o uso de animais e de vários tipos de drogas.

Métodos de Tortura

Obs: Estes são alguns métodos de torturas mas não todos logos que alguns nunca foram sequer catalogados pelo governo a fins de conservar sua hegemonia.
A seguir está uma lista parcial das formas de tortura:
1. Abuso e tortura
2. Confinamento em caixas, gaiolas, caixões, etc, ou enterro (muitas vezes com uma abertura ou tubo de ar de oxigênio).
3. Contenção com cordas, correntes, algemas, etc.
4. Quase-afogamento.
5. Extremos de calor e frio, incluindo submersão em água gelada e queima de produtos químicos.
6. Esfolamento (apenas camadas superiores da pele são removidas em vítimas destinadas para sobreviver).
7. Fiação.
8. Luz ofuscante.
9. Choque elétrico.
10. Ingestão forçada de fluidos corporais ofensivos e matéria, tais como sangue, urina, fezes, carne, etc.
11. Pendurado em posições dolorosas ou de cabeça para baixo.
12. Fome e sede.
13. A privação de sono.
14 Compressão com pesos e dispositivos.
15. Privação sensorial.
16. Drogas para criar ilusão, confusão e amnésia, frequentemente administradas por injecção intravenosa.
17. Ingestão ou substâncias químicas tóxicas intravenosas para criar dor ou doença, incluindo agentes quimioterápicos.
18. Membros puxados ou deslocados.
19. Aplicação de cobras, aranhas, larvas, ratos e outros animais para provocar o medo e o nojo.
20. Experiências de quase-morte, comumente asfixia por sufocamento ou afogamento, com reanimação imediata.
22. Forçado a realizar ou testemunhar abusos, torturas e sacrifício de pessoas e animais, geralmente com facas.
23. Participação forçada em escravidão.
24. Abuso para engravidar; o feto é, então, abortado para uso ritualístico, ou o bebê é levado para o sacrifício ou a escravidão.
25. O abuso espiritual para causar vítima a se sentir possuída, perseguida e controlada internamente por espíritos ou demônios.
26. Profanação de crenças judaico-cristãs e formas de culto; dedicação a Satanás ou outras divindades.
27. Abuso e ilusão para convencer as vítimas que Deus é o mau, tais como convencer uma criança que Deus abusou dela.
28. Cirurgia a tortura, experimento, ou causar a percepção de bombas físicas ou espirituais ou implantes.
29. Dano ou ameaça de dano à família, amigos, entes queridos, animais, e outras vítimas, para forçar o cumprimento.
30. Uso de ilusão e realidade virtual para confundir e criar uma divulgação não-credível 8.

Médicos e Outros Profissionais Envolvidos

Em Abril de 1953 Sidney Gottlieb chefiava o super secreto Projeto MKULTRA que foi ativado pelo Diretor da CIA Allen Dulles. Gottlieb ficou conhecido também por ter desenvolvido meios de administrar LSD e outras drogas em pessoas sem o conhecimento destas e por autorizar e desenvolver o financiamento de pesquisas psiquiátricas com o objetivo de , segundo suas palavras “criar técnicas de romper a psique humana ao ponto de fazer com que o indivíduo admita que fez qualquer coisa, seja o que for”. Ele foi o patrocinador de médicos como Ewen Cameron e Harris Isbell em controversos estudos psiquiátricos em que seres humanos foram utilizados como cobaias humanas, sem o consentimento destes e sem o conhecimento de que estavam sendo usados nestas experiências e , em alguns casos, acreditando estarem recebendo tratamento. Inúmeras vítimas tiveram suas vidas destruídas até a morte. Os recursos para tais pesquisas eram injetados de maneira que não pudesse ser feita a relação imediata com a CIA. Um dos meios era, por exemplo, através da Fundação Rockefeller,9 uma Fundação aparentemente dedicada ao desenvolvimento de pesquisas médicas em beneficio da sociedade.
O Ten. Cel Fletcher Prouty também estaria envolvido no projeto, durante a década de 1950/60. Ele participou do complexo militar-industrial e ficou famoso pois escreveu livros e artigos que oferecem um raro vislumbre da “elite do poder”, como descrito por Buckminster Fuller. Suas obras falavam sobre a formação e desenvolvimento da CIA, as origens da Guerra Fria, o Incidente com avião U2 em 1960, a Guerra do Vietnã, e o assassinato de John F. Kennedy – que ele dizia ser um golpe de estado, organizado pelo complexo militar-industrial americanos. Prouty era especialista em segurança presidencial e black operations.
Abaixo parte do documento referente ao MKULTRA
470px-Declassified_MKULTRA-2

Exposição do Projeto

A Pesquisa ilegal da CIA veio a público pela primeira vez em 1975 , quando da realização pelo Congresso americano de investigação das atividades da CIA por uma comissão de inquérito do Congresso dos Estados Unidos da América e por um Comitê do Senado americano. Foram os inquéritos chamados de Church Committee e Rockefeller Commission – Comitê Church e Comissão Parlamentar Rockefeller, em Português.
As investigações foram prejudicadas pelo fato de que,em 1973, considerando a possibilidade de uma futura investigação, o então diretor do CIA, Richard Helms, ordenou a destruição de todos os dados e arquivos ligados aos experimentos em humanos feitos durante o Projeto MKULTRA.
As investigações do Comitê e da Comissão se basearam no testemunho sob juramento de participantes diretos na atividade ilegal e em um relativamente pequeno número de documentos que restaram após a destruição de documentação ordenada por Richard Helms.11
A CIA afirma que tais experiências foram abandonadas mas Victor Marchetti, um veterano agente da CIA por 14 anos, tem atestado em várias entrevistas que a CIA jamais interrompeu suas pesquisas em controle da mente humana, tampouco o uso de drogas, mas realiza continuamente sofisticadas campanhas de desinformação seja lançando ela mesma, através dos meios de comunicação , falsas teorias e teorias de conspiração que podem ser ridicularizadas e desacreditadas, o que faz com que o foco de atenção não se volte para a CIA e suas pesquisas clandestinas ou que, caso haja qualquer aparente possibilidade de que suas pesquisas sejam expostas, qualquer revelação possa ser imediatamente desacreditada e/ou ridicularizada.
Victor Marchetti, em uma entrevista em 1977, especificamente afirmou que as declarações feitas de que a CIA teria abandonado as atividades ilegais do MKULTRA após os inquéritos, são em si mais uma maneira de encobrir os projetos secretos e clandestinos que a CIA continua a operar, sendo a próprias revelações do MK-ULTRA e subsequentes declarações de abandono do projeto seriam em si mais um artifício para deslocar a atenção de outras atividades e operações clandestinas não reveladas pelos Comites. 
417px-Mkultra-lsd-doc
Em 1977, o Senador Americano Ted Kennedy, disse no Senado:
“O Vice-Diretor da CIA revelou que mais de trinta (30) Universidades e Instituições participaram em “testes e experimentos ” em um programa que incluiu a aplicação de drogas em seres humanos sem o conhecimento ou o consentimento destas pessoas, tanto americanos como estrangeiros. Muitos destes testes incluíram a administração de LSD a indivíduos em situações sociais que não tinham conhecimento de que estavam sendo drogados e posteriormente a aplicação do LSD sem o consentimento destas pessoas, elas não sabiam que estavam sob o efeito da droga. No mínimo uma morte, a de Dr. Olson, ocorreu como resultado destas atividades. A própria CIA diz reconhecer que tais experimentos faziam pouco sentido científico. Os agentes da CIA que monitoravam tais testes com drogas não eram sequer qualificados como cientistas especializados à observação de experiências”14
Até o presente, a grande maioria de informação mais específica sobre o Projeto MKULTRA continua classificada como secreta.

Ação Judicial contra a CIA

Velma Orlikow era uma paciente no Allan Memorial Institute em Montreal quando a CIA dos Estados Unidos da América estava conduzindo os notórios experimentos de Lavagem Cerebral do MKULTRA no Hospital de Montreal afiliado a McGuill University, o Allan Memorial Institute. Ela era casada com o membro do Congresso Canadense David Orlikow. Velma foi involuntariamente drogada com doses altas de LSD e submetida a fitas gravadas de lavagem cerebral. Juntamente com outros oito pacientes de Ewen Cameron, ela moveu uma ação contra a CIA na Justiça e ganhou.
Em 1979, Orlokow contactou o escritório de advogacia de Joseph Rauh e Jim Turner após ler uma notícia publicada no Jornal New York Times sobre o envolvimento do médico Ewen Cameron doMemorial Hospital nos experimentos. O artigo publicado em 2 de Agosto de 1977, escrito por Nicholas Horrock, intitulava-se “Instituições Privadas Utilizadas pela CIA em Pesquisas de Lavagem Cerebral.” O artigo de Horrock se referia ao trabalho de John Marks que coletou documentos das atividades da CIA através de FOIA ou Freedom of Information Act (em Portugues – Lei da Livre Informação). O artigo foi então utilizado para mover a ação que tomou o nome de Orlikow, et al. v. United States case.9 Mais vítimas canadenses se juntaram a causa e ela passou a incluir Jean-Charles Page, Robert Logie, Rita Zimmerman, Louis Weinstein, Janine Huard, Lyvia Stadler, Mary Morrow, e Florence Langleben. A CIA fez um acordo em 1988. Velma faleceu em 1990.
No fim de sua vida, David Orlikow encorajou os outros membros de seu partido, New Democratic Party of Canada , entre eles Svend Robinson a continuar a luta buscando indenização para as vítimas do Allan Institute e para suas famílias.
Conclusão – Sucker Punch
sucker_punch-eu-fui_portallos
Alguns freqüentadores de cinema sairiam depois de Mundo Surreal acreditando que o filme é sobre uma “delegação de autoridade”, “mulheres lutando de volta” e qualquer outra palavra de zumbido  parecido que eles estão usando estes dias. Enquanto alguns podem perceber Baby Doll como uma mulher forte que luta contra a opressão dos homens, outros podem concluir que o filme serve para as perversões, transformando-os em uma fantasia. O mesmo discurso duplo pode ser atribuído ao filme quando relacionados com o tema do controle da mente. Enquanto a mensagem principal do filme parece ser sobre a “luta pela liberdade”, um olhar mais profundo do filme revela que ele pode estar dizendo o contrário. No final, a “batalha” de Baby Doll não foi de rebeldia e liberdade, mas para escapar e dissociar. Seu “guia” não foi um agente de libertação, mas um manipulador que possuía as chaves da sua psique, guiando-a para a fratura de sua personalidade.
As palavras finais do filme, dita por uma voz off-screen, também jogam em reversões e duplo-falar. É um discurso sobre capacitar a autodeterminação ou uma descrição do controle completo do condutor da psique do escravo?:
“Quem honra aqueles que amamos com a própria vida que vivemos? Quem envia monstros para matar-nos e, ao mesmo tempo canta que nunca vai morrer? Que nos ensina o que é real e como rir de mentiras? Quem decide por que vivemos e que vamos morrer para defender? Quem nos prende? E quem tem a chave que pode nos libertar? “
O filme termina com Baby Doll nas mesmas palavras que foi dita antes dela dançar e dissociar na primeira vez.
“É você. Você tem todas as armas que você precisa. Agora lute.”
Através do engano, ilusão e fala-dupla, os telespectadores testemunham uma promoção sutil e a glorificação no filme, que aparentemente, parecia contra. Eu acho que é por isso que eles chamaram o filme Sucker Punch (Golpe Surpresa, na tradução livre).
Mas olhando a fundo podemos perceber como Sucker Punch é mais que um filme muitas vezes confuso ou até mesmo abstrato e olhar para seu interior e sentir a mensagem que ele deseja nos passar, assim como V de Vingança ou Matrix ele é mais que um filme qualquer.
“Siga o coelho Branco”
Fontes e referencias.
ACHRE Report, chapter 3: “Supreme Court Dissents Invoke the Nuremberg Code: CIA and DOD Human Subjects Research Scandals”. Página visitada em 19 de maio de 2008
Lista de Documentos referentes ao Projeto MKULTRA. Página visitada em 30 de Janeiro de 2010, em Ingles
a b Esposa do Membro do Parlamento Canadense entre os pacientes vítimas dos experimentos da CIA – MKULTRAEx pacientes submetidos a experimentos da CIA vão a Justiça contra a Inteligencia Americana. em Ingles
Harvey Weinstein,Um Pai, Um Filho e a CIA – Título original em Ingles A Father, A Son and the CIA (Toronto, James Lorimer & Co., 1988, ISBN 1-55028-116-X), p. 138.
Gordon Thomas, Viagem aa Loucura Título original em Ingles:Journey Into Madness (London: Bantam Press, 1988, ISBN 0-593-01142-2), pp. 189-190.
Richelson, JT (ed.) (2001-09-10). Science, Technology and the CIA: A National Security Archive Electronic Briefing Book. George Washington University. Página visitada em 2009-06-12.
[http://www.hss.energy.gov/healthsafety/ohre/roadmap/achre/chap 3_4.html Chapter 3, part 4: Supreme Court Dissents Invoke the Nuremberg Code: CIA and DOD Human Subjects Research Scandals]. Advisory Committee on Human Radiation Experiments Final Report. Página visitada em 2005-08-24.
[http://www.aarclibrary.org/publib/church/reports/book1/html/Ch urchB1_0200b.htm The Select Committee to Study Governmental Operations with Respect to Intelligence Activities, Foreign and Military Intelligence]. Church Committee report, no. 94-755, 94th Cong., 2d Sess. pp. 392. United States Congress (1976).
a b Instituições Privadas Utilizadas pela CIA em Pesquisas de Lavagem Cerebral New York Times artigo de Nicholas Horrock publicado em 2 de Agosto de 1977 .em Ingles acesso 28 de Agosto de 2009
“An Interview with Richard Helms”, CIA. Página visitada em 19 de maio de 2008.
“ce/kent-csi/docs/v44i4a07p_0021.htm An Interview with Richard Helms”, CIA, 2007-05-08. Página visitada em 2008-03-16.
[http://www.skepticfiles.org/socialis/marcheti.htm Interview with Victor Marchetti]. Página visitada em 2009-08-22.
Cannon, M. (1992). “Mind Control and the American Government”. Lobster Magazine 23.
Opening Remarks by Senator Ted Kennedy. U.S. Senate Select Committee On Intelligence, and Subcommittee On Health And Scientific Research of the Committee On Human Resources (1977-08-03).
Sweet Dreams – Baby Doll SoundTrack
Para aqueles que nunca assistiram o filme e ficarão confuso sugerimos que assistam nem que for pela internet abaixo vai um link para ver o filme online.

LIVRO NUNCA FOMOS Á LUA

LIVRO  NUNCA FOMOS Á LUA ,ESCRITO POR UM DOS ASTRONAUTAS QUE PARTICIPOU DA GRANDE FARSA DA IDA DO HOMEM Á LUA
Nunca fomos à Lua

03/12/2004
Por Edson Aran*
Os livros de História mentem. Os livros de ciência também. Nós nunca fomos à Lua e a frase famosa de Neil Armstrong ("Este é um pequeno passo para o homem, mas um grande salto para a humanidade") foi pronunciada num estúdio de TV, no deserto de Nevada.
Essa tese é defendida, entre outros, pelo escritor Bill Kaysing, autor de We never went to the moon (Helt Research, 1997). Kaysing trabalhou para a Rocketdyne Research Department que, por sua vez, prestou serviços para o Projeto Apollo. Segundo ele, a Nasa não tinha tecnologia para colocar o homem na Lua em 1969. Mas a corrida espacial com os russos obrigava os americanos, a fazer isso, de uma forma ou de outra. A Apollo 11 foi realmente lançada, mas pousou no Pólo Sul, algumas horas depois. Os astronautas Neil Armstrong, Edwin Aldrin e Michãl Collins foram então levados para o tal estúdio de TV secreto e encenaram a conquista da Lua, com frases de efeito, bandeiras americanas e tudo o mais. Segundo Kaysing, as imagens veiculadas pela televisão são evidentemente falsas. As principais pistas são:
1. Não há estrelas no céu. Se não existe atmosfera na Lua, as estrelas deveriam ser visíveis.
2. Não existe nenhuma cratera em cena e a Lua, como se sabe, é cheia de crateras.
3. As sombras dos astronautas no chão não são paralelas e, em alguns casos, apontam para direções opostas, como se existissem duas fontes de luz. Mas só existe uma: o Sol.
4. O módulo lunar não deixou marcas profundas no solo, embora pesasse mais de 13 quilos.
5. Uma das pedras que aparece em cena estaria marcada com a letra "C". Talvez seja uma pista deixada pelos conspiradores.
James Oberg, engenheiro espacial da Rockwell International, que também trabalhou no projeto Apollo, contesta todas as afirmações de Kaysing. "Toda época de exploração gera seus mitos, dos fenícios ao Marco Polo", explica. "Parte da humanidade sempre nega que a jornada tenha sido realizada, fantasiando sobre criaturas fantásticas e coisas assim. O que me surpreende é que essa crença tenha tão poucos adeptos".
Bill Kaysing contra-argumenta afirmando que Oberg faz parte da conspiração orquestrada pela Nasa para esconder a verdade.

*Extraído do livro "Conspirações - Tudo o Que Não Querem Que Você Saiba"

AS 10 MAIORES CONPIRAÇÕES DA HUMANIDADE









CONHEÇA AS 10 MAIORES CONSPIRAÇÕES CONTRA A HUMANIDADE SEUS
PLANOS E REALIZAÇÕES

MAÇONARIA - E SUAS CO-IRMÃS AS SOCIEDADES SECRETAS